8 de fevereiro de 2007

Aurora plúmbea

Pessoas!

Copiando a idéia que meu caro amigo-poeta Leandro Jardim havia colocado em prática recentemente, vou fazer aqui, no EscúchamePorra, a Retrô B7C

Este foi o escrito de estréia, "Aurora plúmbea"!



Essa manhã
amanheceu
tão
escura...

Vejo um céu cinza...
Mas não como o de outrora...

Esse céu
amanheceu
com cor
de chumbo.

Como se toda poluição do céu de outrora
se houvesse sedimentado nas nuvens...

Como se todas as Noites
transformadas em Dia
houvessem decidido invadir,
transgredir,
entrar sem hora marcada,
e em hora imprópria,
à sala da Aurora...

Chumbo!
O céu
está coberto
de
chumbo!

Como se toda Loucura dos seres terrenos,
todas suas impurezas e indecências
houvessem ascendido aos céus...

E essa Loucura é tamanha, chega a cobrir o Sol...

E eu posso sentir seu cheiro!
E posso sentir até seu gosto!
Posso sentir na pele
o peso
de todo esse chumbo
que me invade por todos os poros!

E eu posso ver a tudo isso
e admirar o espetáculo!
Relâmpagos cortam o horizonte
cinza-chumbo
apocalíptico...
É o caos!

A chuva vem para lavar a cidade
para seu derradeiro fim...
Vem manchar as ruas
com todo o chumbo
que estava no céu
diluído em água...

E eu aguardo ansiosamente a
chuva
para lavar os pensamentos da noite
imunda
e sigo a observar os raios que poderiam rachar-me a
cuca...

Vêm as primeiras gotas da chuva
umedecer a rua soturna...

9 comentários:

  1. Corrigindo... Este foi o escrito da minha estréia!

    ResponderExcluir
  2. puta q pariu!!!!tu ta chique demais!!!escrevendo dificil demais!!!!hauhauhauahuahauhauahua
    keria mesmo q a chuva lavasse os pensamentos (imundos)da noite(imunda)
    bjão
    Lu

    ResponderExcluir
  3. Eita!!!
    Puta bacana esse aqui!!!
    Seria essa chuva plúmbea a chuva paulistana... quem sabe...


    Abraço!!

    REMO.

    ResponderExcluir
  4. o melhor das repetições é permitir a câmera lenta...

    ResponderExcluir
  5. muy bueno! palmas!
    e teu colega aí do blog desistiu?
    :*

    ResponderExcluir
  6. E que estréia hein, meu caro?

    Cinza é uma cor quase constante. Pena.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Muito bom. Escrevi hoje - veja a coincidência - um poema também inspirado no cinza da aurora, atentava ao escuro da manhã e o que essa idéia pode representar.
    Um mesmo tema, diferentes formas de ver. Muito bacana isso.

    Parabéns pela poesia. É bela.

    ResponderExcluir