26 de fevereiro de 2010

18 de fevereiro de 2010

lancei âncora
cheio de medo
neste mar nebuloso
de incertezas

sinto o cheiro da ausência tua

já não há vento que me leve
- só um cruel mormaço
que me acompanha desde o cais

e já não há peixes
nem sereias
neste mar
que possam cair
em meu anzol nu

e já não há
mais forças para remar

e já não há
lugar aonde ir

e esse horizonte
que me é sempre tão
igual...

vejo a esperança se perder
com o sol

enquanto esmoreço

9 de fevereiro de 2010

as lágrimas não querem jorrar

afinal,
tudo o que perdi
não era meu
de fato

não vale a pena chorar
por uma ilusão

2 de fevereiro de 2010