18 de janeiro de 2009

Fênix

Aquela foto tua,
os bilhetes que você me deixou
- inclusive aquele último,
o de despedida -
os poemas que escrevi
pensando em você...

Eu queimei tudo!

Botei fogo
em cada resquício
de nosso amor

(Guardo as cinzas
até hoje
esperando que ressurja
fênix)

29 comentários:

  1. é assim, mesmo depois do fim ainda há esperança.

    beijo.

    ResponderExcluir
  2. E as tais cinzas ficam deixando rastros nas nossas mãos. Nem água apaga os vestígios...

    um beijo :)

    ResponderExcluir
  3. As cinzas devem ser lançadas...
    Assim, poderás abrir tuas asas em direção ao infinito!!!

    ResponderExcluir
  4. por ve zes penso que as cinzas permanecem mais que o proprio fogo.

    ResponderExcluir
  5. .as paredes da memória são cinzas, retóricas.

    xêro

    ResponderExcluir
  6. amigo poético!

    o fogo tem feito casa aqui, não? tenho gostado...

    xêro
    =*

    ResponderExcluir
  7. biiichu du céu! Num guento mais esse lance de trabalhar em "colônia de férias" (só um desabafo! ihihi)
    ...

    Cara,,, tô precisando botar fogo umas coisas aqui também,,, vich!
    Mesmo que role arrependimento; já tá feito! rs

    Abraços e conectadas invenções!

    ResponderExcluir
  8. Sempre renascemos daquilo que um dia fomos. A diferença é que, muita gente, não admite isso.

    Por isso temos sempre a escolha de ser "quem somos".

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. ah, quem me dera um amor bumerangue..

    []´s

    ResponderExcluir
  10. tuas palavras fazem o fogo dessas cinzas... que lindeza...
    beijinhos!

    ResponderExcluir
  11. Quente o poema. muito bem escrito. gostei



    Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

    ResponderExcluir
  12. E existe alguma forma capaz de acabar com resquícios de amor?

    ResponderExcluir
  13. Ñ sei... É verdade que ñ conheço ninguém que o tenha conseguido...

    Mas a gente sempre tenta...

    ResponderExcluir

  14. é... a gente sempre espera...

    gostei, jeff! :)

    ResponderExcluir
  15. Encantador esse poema..
    A fenix..
    Acho que ela fica confusa..
    Ressurgir ou não?
    Esse povo não sabe o que quer!!



    Beijo enormeeee..


    =]

    ResponderExcluir
  16. Estar aqui presente
    Com estas palavras
    Luzentes brilhantes…
    É como flutuar
    Em águas calmas
    E no fundo ver diamantes

    Um bom fim-de-semana
    Inundado de paz…

    O eterno abraço…

    ResponderExcluir
  17. ressurgir
    renovado, ainda melhor. :)

    ResponderExcluir
  18. Mas um dia o vento soprou mais forte e agora te vejo em todos os lugares. No nariz de minha mãe.

    ResponderExcluir
  19. "Taca Alcool, toca fogo, chame os bombeiros e sai correndo..."

    rsrs

    ResponderExcluir
  20. Muito abrigada pelo carinho,pela visita e pela saudade,meu bem.

    Por aqui ando aprendendo a passar,mais leve,mais leve...

    Venho te ver!
    Um beijo grande.

    ResponderExcluir
  21. não gosto de queimar lembranças. prefiro deixá-las guardadas para que elas ressurjam num dia qualquer, toquem meu coração quente e caiam novamente ao status de lembranças, como ícaro.

    ResponderExcluir
  22. Publiquei outro dia no meu blog um poema, um grande poema, com o título do teu:

    FÊNIX

    A palavra renasce das próprias cinzas.

    A palavra é Fênix, o amor é Fênix, nós somos Fênix, nada morre definitivamente.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  23. Liiiiiiindo!
    ah, obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  24. "A Fenix morta é Fenix, porque foi Fenix e há de tornar a ser Fenix. Assim és tú que jazes na sepultura. Morta sim, desfeita em cinzas sim; mas em cinzas como as da Fenix."
    Abraço.
    Tácito

    PS. Mais sôbre a FÊNIX em
    www.xanadupoesias.blogspot.com//

    ResponderExcluir