29 de abril de 2011

quis voar
- tinha asas, afinal, pra isso

mas também tinha vertigem

tanto tempo preso
não lhe trouxe apego ao chão

mas, ao tirar-lhe do convívio
com o ar
livre
lhe puseram nas costas
todo o peso do mundo
que os tolos pisam

quis voar
: não conseguiu

10 comentários:

  1. Meu poema "A bordo" fala bem disso, desse comodismo. Parece até que nos cortaram as asas.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Mas pra voar a gente precisa se livrar de um monte de medos, de vertigens, de receios. Só sabendo sair do chão é que se pode curtir a liberdade!

    Um beijo, querido!

    ResponderExcluir
  3. E todo o peso do mundo é peso demais!

    ResponderExcluir
  4. Levar sobre si os fardos alheios... Eis aí porque muitos não voam, rastejam!

    Bjs

    ResponderExcluir
  5. lindo esse poema, rapaz!

    o peso do mundo nos impede de voar...

    tô de volta à blogosfera, espero que me visite!

    beijos,

    iara maria

    ResponderExcluir
  6. peso do mundo é só sobrevivência. viver é voar.
    mergulhei aqui. bom de um tanto!
    beijo

    ResponderExcluir
  7. Muito bom esse poema. Metáfora certeira.

    ResponderExcluir
  8. Não SE conseguiu
    Não SE deixou
    Se entregou aos SES

    ResponderExcluir