16 de novembro de 2008

Ultraleve

que nos ultraleve os ventos
para caminhos tão plenos
onde os nossos pensamentos,
por demais, sejam amenos.


Um presente de Octávio Roggiero Neto, inspirado no meu escrito anterior, "Já que eu não posso te levar..."

Obrigado, amigo! =)

17 comentários:

  1. que bonito!

    obrigada pela visita :)

    ResponderExcluir
  2. grande jeff...

    poetrixiando, e muito bem!

    \o

    ResponderExcluir
  3. ...ventos, caminhos, pensamentos... não por acaso se entrelaçam.

    Bj

    ResponderExcluir
  4. Belíssimo comentário. Mereceu ser postado.

    Que na leveza do ar
    Que entra e sai das emoções
    Do pulmão ao pensamento
    Possamos ser menos amenos
    Mais verdadeiros

    ResponderExcluir
  5. Vim oferecer-lhe meu bom dia companheiro nesta imensa e insana blogosfera!!

    ResponderExcluir
  6. A brisa desses versos leves e, obviamente, soprosos, percorreu por aqui. Fez cócega nos olhos. Sinal de poesia, luz e poética. Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Eu é que deveria ter colocado o autor, me passei..

    E vc é poeta. Os poetas não precisam saber, mas sentir, sentir, sentir..

    bjo ;)

    ResponderExcluir
  8. delíciaaaaaaaaaaaaaaa!
    :D

    ResponderExcluir
  9. Eu gosto dessa coisa de neologismos, e brincar com a ordem e o sentido das palavras.

    Sempre bem...


    Outro lindo verso :)

    ResponderExcluir
  10. Poesia de poesia, eis Diálogo. Deixem os personagens livres, que eles transbordam em outras estórias.


    abz

    ResponderExcluir
  11. lindoooo! o teu escrito e a resposta de octavio! :D

    bjus, jeff! :*

    ResponderExcluir
  12. se alguém tem que agradecer, esse alguém sou eu, meu amigo, e muito! voce é sempre presente!

    abração!

    ResponderExcluir